Subscrever RSS
banner

«V Cimeira da Comissão Internacional para a Região dos Grandes Lagos»

Integra do discurso proferido pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, por ocasião da «V Cimeira da Comissão Internacional para a Região dos Grandes Lagos».

Luanda, 15 de Janeiro de 2014.

Excelências Chefes de Estado e de Governo,
Excelentíssimo senhor Secretário Executivo da Comissão para a Região dos Grandes Lagos,
Excelentíssimos Senhores Ministros e Membros das respectivas Delegações,
Ilustres Convidados,
Minhas Senhoras e meus Senhores,

Eu dou as mais calorosas boas-vindas a todos os participantes desta Cimeira e espero que se sintam entre nós como nos vossos respectivos países, beneficiando da amizade e da hospitalidade do povo angolano.

Agradeço sensibilizado as palavras de cortesia e apreço formuladas pelos oradores que me precederam, em especial por Sua Excelência Youeri Museveni, Presidente da República do Uganda, na sua qualidade de Presidente em Exercício cessante da nossa Comissão.

A nossa cimeira tem lugar num momento crucial para a Região dos Grandes Lagos.

A situação nesta Região é caracterizada, por um lado, pelo longo e ainda instável processo de pacificação e estabilização na parte Leste da República Democrática do Congo e, por outro, pelo surgimento de novos conflitos no Sudão do Sul e na República Centro Africana.

Essa situação é preocupante não apenas por afectar países da sub-região, mas também por ser um factor que perturba e retarda o seu processo de integração e o desenvolvimento da África no seu todo.

Com efeito, esta Cimeira deverá ouvir e analisar os diversos relatórios sobre a situação geral e, em particular, sobre os países onde se desenrolam conflitos, para procurar soluções realistas e duradouras que possam ser efectivamente implementadas.

Os nossos esforços conjuntos, serão naturalmente conduzidos nos marcos do Direito, das nossas instituições sub-regionais e da União Africana, evitando-se a actuação paralela e, sobretudo, a interferência nos assuntos internos dos países vizinhos, pois os resultados positivos da acção conjunta trarão benefícios para todos.

Cada um de nós deve em primeiro lugar desenvolver esforços para garantir a sua segurança interna, a paz e a estabilidade política do seu país.

Isto pressupõe promover a reconciliação e a unidade nacional, aprofundar e consolidar no interior de cada um dos nossos países a democracia e implementar políticas públicas e programas que ajudem as empresas, as cooperativas e as populações em geral a resolver progressivamente os seus problemas essenciais.

A paz e a estabilidade em cada um dos nossos países e a boa vizinhança são a garantia da Paz Regional.

Nas nossas relações bilaterais e sub-regionais devem prevalecer os princípios do respeito mútuo, da solidariedade e da não agressão, que excluem em absoluto qualquer espécie de apoio à subversão.

A solidariedade e a sabedoria ou “o ser sensato em todas as circunstâncias”, são valores e atitudes que decorrem da nossa cultura e que não devemos menosprezar quando queremos estabelecer denominadores comuns para que a acção concertada possa atingir os resultados positivos que almejamos.

O grande desafio que se coloca diante de nós é o de saber se seremos capazes ou não de banir da nossa sub-região e do Continente no seu todo, os conflitos armados, as rebeliões e as subversões para dar início a uma nova era de paz, estabilidade e desenvolvimento económico e social!

Temos o dever de dizer que sim ao responder esta pergunta! Que somos capazes de trabalhar para que isto aconteça, pois nós somos a esperança dos povos que confiam em nós a condução dos seus destinos.

A carta da União Africana diz tudo que devemos fazer!

Basta respeitá-la e implementá-la, para se alcançar esses objectivos e reforçar a nossa cooperação em todos os domínios, cumprindo os compromissos assumidos.

Excelências,
Minhas Senhoras e Meus Senhores,

É com este espírito que a República de Angola vai assumir nos próximos dois anos a presidência da Comissão Internacional para a Região dos Grandes Lagos.

A nossa posição será sempre a de manter o diálogo e obter consensos entre os países da região para concretização da estratégia comum que visa restabelecer e consolidar a paz e a estabilidade política e promover o progresso e a prosperidade na região dos Grandes Lagos de África.

Neste sentido, a República de Angola terá na sua Agenda três grandes domínios de actuação:

1. No plano político, vai dar ênfase à implementação do Pacto sobre a Paz, a Estabilidade e o Desenvolvimento da Região dos Grandes Lagos e do Acordo Quadro para esta Região. Sem esquecer todos os outros compromissos assumidos, assim como a colaboração para a busca da paz e da estabilidade na República Centro Africana e no Sudão do Sul;

2. No plano económico e social e do desenvolvimento regional, a República de Angola envidará esforços para promover o intercâmbio comercial entre os nossos países, promover a troca de experiências nos domínios administrativo, da gestão macro-económica, do combate à fome e à pobreza e às grandes endemias, do aumento do emprego e da cooperação nos sectores da economia real com vista a apoiar a estratégia da diversificação das nossas economias;

3. No plano de defesa e segurança, a República de Angola vai dar continuidade à promoção da gestão conjunta da segurança das fronteiras comuns, da cooperação sobre questões gerais de segurança, incluindo o combate ao tráfico de seres humanos, à imigração ilegal, à exploração ilícita e pilhagem de recursos naturais e à proliferação ilegal de armas; a prevenção e combate às actividades criminosas transnacionais e ao terrorismo.

A República de Angola conta com o apoio e empenho de Vossas Excelências e dos Estados membros para a realização destes objectivos, continuando assim o excelente trabalho que foi levado a cabo por Sua Excelência o Presidente Museveni, enquanto Presidente em exercício da Comissão dos Grandes Lagos.

Eu apresento ao Presidente Musseveni as minhas felicitações, pelo excelente trabalho realizado.

Agradeço ao Senhor Secretário Executivo e a todas as equipas que criaram as condições de trabalho para a organização com êxito desta Cimeira.

Trabalhamos juntos para garantir um futuro melhor para os nossos povos!

Muito obrigado pela vossa atenção!

 
 

Outros artigosVoltar à Página Principal

«Conversa Dura» com Zola Vida

«Conversa Dura» com Zola Vida

A Mediateca 28 de Agosto realizou, no passado mês de Outubro, mais uma sessão do «Conversa Dura», rúbrica regular do Clube de Leitura que acolheu nesta edição Zola Vida, autor da obra de poesia «Contemplando o invisível». Na sessão, o escritor Zola Vida teve a oportunidade de explicar os seus primeiros passos no mundo da

ReMA deseja Feliz e Próspero Ano de 2017

ReMA deseja Feliz e Próspero Ano de 2017

A Rede de Mediatecas de Angola (ReMA) endereça a todos os seus utentes, colaboradores, parceiros e população angolana em geral os mais sinceros votos de um Feliz e Próspero Ano Novo de 2017 !

ReMA deseja a todos um Feliz Natal

ReMA deseja a todos um Feliz Natal

A Rede de Mediatecas de Angola (ReMA) endereça a todos os seus utentes, colaboradores, parceiros e população angolana em geral os mais sinceros votos de um Feliz Natal !

Grupo parlamentar do MPLA visitou Mediateca Zé Dú

Grupo parlamentar do MPLA visitou Mediateca Zé Dú

Uma comitiva representativa do grupo parlamentar do MPLA visitou as recém inauguradas instalações da Mediateca Zé Dú, no Cazenga, onde se inteirou do funcionamento dos serviços, no âmbito da sua actividade social. Encabeçados pelo deputado João Pinto, os parlamentares foi recebido pela Directora da Rede de Mediatecas de Angola, Catarina Cardoso, que acompanhou o grupo

Clube de Leitura do Lubango

Clube de Leitura do Lubango

O Clube de Leitura da Mediateca do Lubango tem vindo a desenvolver um vasto conjunto de acções de dinamização e promoção da literatura junto de diferentes escalões etários de usuários da mediateca. No primeiro dia do mês de Novembro, reuniu-se um grupo de clubistas em torno do debate da obra «Espontaneidade da minha alma» de

Ler mais

Rede de Mediatecas de Angola

Redes Sociais

© ReMA 2012 | Rede de Mediatecas de Angola | Todos os direitos reservados.